Massa ao molho Basílico

Muitas vezes me pedem uma receita fácil, rápida e boa. Toda vez que essas três palavras são assimiladas pelo meu cérebro eu me lembro deste molho.

Molho Basílico nada mais é do que alho, tomate, cebola e manjericão, mas fica um espetáculo. Aliado a uma Barilla Capellini (a número 1), que fica pronta em 3 minutos, esta receita fica fácil, rápida e boa.

Então no lugar do miojo, pega esta receita e manda bala.

Ingredientes para 2 pessoas:

2 latas de tomate pelati

1 dente de alho

Manjericão a gosto (5 a 10 folhas)

Azeite de oliva a gosto

200 gramas de barilla capellini N°1

50 gramas de parmesão ralado na hora

Sal e pimenta a gosto

Nota: Para facilitar o preparo foi removida a cebola, se desejar pode acrescentar ½ cebola finamente picada e refogar com oliva antes de adicionar os tomates.

Modo de preparo:

Corte o alho ao meio e passe as metades no fundo de uma caçarola. Como se estivessem untando o fundo da caçarola.

Abra as latas de tomate e coloque tudo dentro da caçarola. Com as mãos esmague os tomates.

Deixe levantar fervura e depois coloque em fogo baixo até atingir uma consistência firme (cerca de 10 a 15 minutos). Mexa algumas vezes para não grudar no fundo.

Próximo do final adicione sal, pimenta e o manjericão rasgado.

Aqueça uma panela com água e sal e cozinhe a massa durante logo após o molho ficar pronto.

Escorra e misture o molho a massa adicionando o Azeite e o parmesão ralado.

Este molho pode ser utilizado como molho de pizza, só é necessário deixar o mesmo mais consistente.

Um belo Dolcetto Italiano acompanha muito bem esta massa.

Eu particularmente adoro essa massa por vários motivos, mas um ótimo motivo é que podemos comprar massa e latas de tomate pelati e deixar estocado para ter uma opção de jantar em casa.

Abraços.

Chef Du.

Anúncios

D.O.M. de Alex Atala fazendo bonito

O restaurante D.O.M., do chef Alex Atala, conquistou a posição de sétimo melhor restaurante do mundo no ranking da revista britânica “Restaurant”. Na lista de 2010, o restaurante brasileiro aparecia em 18º lugar,  melhor posição de um restaurante na América Latina.

Além do D.O.M., mais dois restaurantes brazucas estão fazendo bonito, o Fasano, na 59º posição, e Maní, em 74º lugar na lista dos 100 melhores do mundo. Ocupando assim lugar de destaque no cenário gastronômico mundial.

O restaurante dinamarquês Noma, do chef René Redzepi ocupa o primeiro lugar seguido pelos espanhóis El Celler de Can Roca e Mugaritz. O ranking da revista “Restaurant” é feito a partir de votos de mais de 800 jurados ligados à gastronomia em várias partes do mundo.

Alex Atala foi batizado como Milad Mack. Nasceu em 1968 na Mooca e cresceu em São Bernardo do Campo. Na adolescência, aderiu ao movimento punk, saiu de casa e tornou-se DJ do extinto clube Rose Bom Bom. Com 18 anos, pegou sua mochila e foi para a Europa. Para sobreviver, virou pintor de paredes na Bélgica. Um amigo sugeriu que fizesse um curso profissionalizante em gastronomia para ganhar mais dinheiro. Alguns anos depois, Milad Mack tornou-se um dos maiores nomes da gastronomia nacional. O nome de seu restaurante, D.O.M., é acrônimo de Deo Optimo Maximo, “Deus é ótimo e máximo”.

Informações da Época São Paulo

Veja a lista completa no BASILICO

Quem sabe o que mais este talentoso chef tem a nos mostrar.

Abraços

Chef Du.


V Encontro Aberto da Acerva Gaúcha!

Caros leitores e bebuns, desta vez estou informando com antecedência a realização deste evento que já foi mencionado aqui no blog. Divirtam-se.

Está marcado o V Encontro Aberto da Acerva Gaúcha!

O evento ocorrerá no dia 17 de abril de 2011, a partir das 12h, no Centro de Eventos Casa do Gaúcho, no Parque da Harmonia, em Porto Alegre.

Os participantes terão a oportunidade de degustar dezenas de cervejas artesanais caseiras e de microcervejarias, além de um excelente churrasco.

Já está a venda o primeiro lote de convites, com desconto, até 9 de abril (sábado), no valor de R$60,00 (masculino)R$40,00 (feminino). A partir do dia 10 de abril, os valores serão R$70,00R$50,00, respectivamente.

Sobre o Evento

A Acerva Gaúcha é uma associação que reúne pessoas que produzem cerveja em casa, de forma artesanal. Entre as principais atividades da associação estão encontros periódicos em que os associados trocam informações e experimentam as cervejas produzidas pelos demais.

Uma vez por semestre, a Acerva promove um evento diferente, aberto ao público, no qual os associados expõem suas cervejas para degustação de todos, em um clima de festa. Nas duas últimas edições tivemos a participação média de mais de trezentas pessoas, esgotando os ingressos com mais de uma semana de antecedência!

E agora chegou a hora da quinta edição dos Encontros Abertos da Acerva Gaúcha. Entre cervejas caseiras e de microcervejarias, serão mais de 1300 litros de cerveja! Haverá dezenas de chopeiras à disposição durante toda a tarde, no sistema self-service.

Cervejas

A Acerva Gaúcha levará para este evento todas as cervejas produzidas no Workshop do dia 12/03, além de diversas outras:

  • Pale Ale
  • Blonde Ale
  • Brown Porter
  • Red Ale
  • Weizenbier
  • Pilsen

Muitos cervejeiros caseiros também levarão suas produções para a apreciação do público, e o evento contará ainda com a participação de microcervejarias convidadas, num total de mais de 1300 litros de cerveja artesanal.

Cardápio

O cardápio para o almoço será o excelente churrasco da Casa do Gaúcho, com os tradicionais acompanhamentos e uma grande variedade de saladas. Ao longo da tarde ainda ficarão disponíveis algumas sobremesas para quem quiser repor as energias.

Ingressos

Os ingressos estão a venda nos seguintes locais:

Bier Markt
Rua Castro Alves, 422, entre Ramiro Barcelos e Miguel Tostes
Bairro Rio Branco
Aberto de segunda a sábado, das 18h à 0h

Apolinário
Rua José do Patrocínio, 527, entre República e Luiz Afonso
Bairro Cidade Baixa
Aberto de segunda a sexta a partir das 17h30, e sábados e feriados a partir das 19h

Lagom Brewpub
Rua Bento Figueiredo, 72, entre Felipe Camarão e Ramiro Barcelos
Bairro Bom Fim
Aberto de terça a sábado, das 18h30 às 23h

Weiss Boteco
Rua Eudoro Berlink, 777, entre Silva Jardim e Artur Rocha
Bairro Mont’Serrat
Aberto diariamente, a partir das 17h30

Valores:
Até 9 de abril:
R$60,00 masculino
R$40,00 feminino
A partir de 10 de abril:
R$70,00 masculino
R$50,00 feminino

O ingresso dá direito ao almoço com degustação livre das cervejas disponíveis durante todo o evento, bem como água e refrigerantes.

Mas atenção: o número de ingressos é limitado! Serão disponibilizados apenas 500 ingressos no total, que serão vendidos somente antecipadamente. Não haverá venda de ingressos no local.

Para mais informações ou compra em maiores quantidades, entre em contato pelo e-mail eventos@acervagaucha.com.br

Avisos Legais

Evento para maiores de 18 anos, menores somente acompanhados dos pais ou responsáveis. Aprecie com moderação. Se beber, não dirija.

Acerva Gaúcha

Fica a dica, infelizmente não poderei ir, mas quem for não vai se arrepender.

Mais uma coisa, vá de trem ou de taxi.

Abraços.

Chef Du


Wine Day Lovara

Caros, neste último dia 26/03/2011, participei de um curso chamado de Wine Day, ministrado pela Escola do Vinho da Miolo Wine Group, que ocorreu em uma das vinícolas do grupo, a vinícola Lovara. Situada em um belo local de Bento Gonçalves, fazendo parte do roteiro do Caminhos de Pedra. A Lovara possui uma ótima estrutura alinhada a boas técnicas de fabricação do vinho. Produzem atualmente 4 vinhos:

Chardonnay: muito refrescante e agradável com notas frutadas e florais.

Merlot: frutado e sem passar por carvalho, resultando em um vinho muito agradável.

Cabernet Sauvignon: também sem passagem pelo carvalho, mas com boa intensidade e um bom corpo.

Gran Lovara: este corte de cabernet sauvignon, merlot e tannat com passagem de 12 meses por carvalho Francês e Americano, possui um bom corpo com notas de chocolate e canela, aromas elegantes e uma cor intensa. Possivelmente tem sustentação para guarda, que recomendo.

E o curso? Basicamente o curso é uma imersão no processo de fabricação do vinho, neste caso somente o tinto. Abaixo, seguem algumas imagens e comentários do que foi visto neste dia.

Tudo começa na colheita das uvas, que na Lovara recebem seleção já no momento da colheita.

Para conseguir um desconto, tive que ajudar nos processos.

Em seguida, rapidamente as uvas são levadas a uma segunda seleção, esta manual.

Mais uma vez, trabalhando para ganhar umas garrafinhas.

Desta esteira os cachos vão para uma máquina chamada “desengaçadora”, que faz de uma forma mecanizada, a remoção das uvas dos cachos, sem romper a casca da uva. Isso é fundamental para a maceração, caso o liquido entre em contato com a parte interna da uva, alguns sabores indesejados podem aparecer no vinho.

Abaixo desta máquina tem um reservatório com as uvas, de preferência intactas, junto com seu suco, que recebe o nome de mosto.

Este reservatório é erguido até os tanques fermentadores e por gravidade recebem as uvas com seu suco.

Uma vez dentro destes tanques, a temperatura é controlada para permanecer em 8°C e assim, fica por cerca de 4 a 6 dias. Este processo é chamado de maceração e por ser em baixa temperatura é chamado de crio-maceração. Durante a maceração ocorre a extração de cor e sabor da uva. A temperatura é controlada para que a fermentação não inicie.

A pós a maceração é adicionado o fermento e inicia-se a elaboração propriamente do vinho, passando por remontagem, prensa para extrair o suco das cascas, transformações dos ácidos, barricas de carvalho, se for o caso, garrafas e por fim, a nossa mesa.

Além de toda esta parte técnica, fomos agraciados com uma degustação dos vinhos da Lovara, já citados e uma degustação do mosto em várias etapas da fabricação do vinho.

Quem conduziu a degustação foi o Adriano Miolo, um dos grandes responsáveis pela modernização das vinícolas na região de Bento Gonçalves.

A mais difícil das tarefas, mas como sempre executei por completo.

Por fim, um ótimo almoço, com galeto, massa carbonara, risoto, filé, tudo muito bem preparado e servido, ao fim uma sobremesa que é uma re-leitura do tradicional sagu com creme, uma pêra no vinho com uma calda de vinho muito parecida com a calda do sagu e uma torta de sorvete de creme, espetáculo.

Para acompanhar alguns belos rótulos dos vinhos Lovara e Miolo.

Mas a cereja no topo do bolo estava por vir, como se tratava da primeira turma de Wine Day da Lovara, conseguimos uma exceção. Foram abertas 6 garrafas de um Gran Reserva da Lovara, safra 1999, guardado na casa da nona somente para ocasiões especiais e concursos. Vinho muito complexo, estruturado e elegante, só tomando para entender.

Duas gerações dos Benedetti mostrando sua relíquia.

Por fim a história da mesa contada com taças.

Para quem quiser realizar o Wine Day, ou qualquer outro curso, degustação, etc da Escola do Vinho da Miolo, acesse o link abaixo e aprveite.

http://www.miolo.com.br/cursos/

Quem tem interesse em realizar um dos curso, eu digo que vale a pena.

Abraços.

Chef Du.


Spaghetti alla Carbonara

Olá, esta receita é um pedido de uma amiga, que me foi feito para um jantar especial. Como acredito que todos gostam desse clássico da gastronomia Italiana, decidi colocar no Blog e não passar exclusivamente para essa amiga.

A receita é de Espaguete carbonara ou se preferirem “Spaghetti alla Carbonara”. Receita originária da região italiana que hoje é Lazio e Roma.

Então sem mais milongas, segue a receita.

Ingredientes (4 pessoas):

Manteiga 50 gramas

Bacon com carne 100 gramas

Alho fresco 1 Dente

Espaguete Barrila 400 gramas

Sal

Pimenta-do-reino

Ovos de galinha 3   Unid.

Creme de leite fresco 150 gramas (campos de vacaria)

Parmesão ralado na hora 100 Gramas

Modo de Preparo:

Cozinhe os espaguete em água com sal até que fiquem “al dente”, escorra preservando um pouco da água do cozimento do spaghetti. Reserve.

Em um recipiente misture os ovos ligeiramente batidos, o creme de leite, o sal e pimenta-do-reino moída na hora. Reserve.

Numa frigideira de fundo grosso derreta manteiga e junte o bacon e refogue por uns 3 minutos, junte a massa de ovos e creme de leite e logo em seguida o espaguete quente.

Adicione o queijo e tempere com um pouco de pimenta-do-reino, moída na hora e sal, caso necessário.

Misture rapidamente de forma que a massa se grude no molho, mas este ainda esteja um pouco líquido e úmido. Sirva logo.

Algumas dicas:

Sirva logo que ficar pronto;

Os ovos devem estar úmidos, não secos e bem cozidos como ovos mexidos;

Use Bacon já fatiado, tem mais carne e o resultado final é mais sofisticado;

Adicione mais creme de leite caso julgue necessário;

Prepare todos os ingredientes antes de iniciar o cozimento da massa;

Use Barilla, massas comuns podem ficar passadas com maior facilidade;

Com a Barilla Nº1 o resultado é muito bom;

Espero que ajude e que o jantar seja um sucesso.

Sugestão de harmonização: Um jovem Chianti italiano, encontrado em supermercados da região. Vinho bem tânico, que ajuda a quebrar um pouco da gordura. Outra dica, agora do novo mundo, é um malbec argentino que desempenha a mesma função.

Abraços.

Chef Du.

 


Creme do Sagu

Frio chegando e com isso grande parte dos gaúchos começam a abrir suas garrafas de vinho. Vinho fez lembrar sagu, não na minha memória, mas sim na de uma colega de trabalho.

Sem conseguir um bom creme para comer com o sagu, ela recorreu a minha ajuda. Então para ela e todos que gostam de um sagu com creme, segue uma receita de um creme de confeiteiro que pode ser colocado no sagu ou como recheio de bolos, folhados, tortinhas etc.

-Leite 1,2 litros

-Gemas de Ovos 4 und

-Ovos 2 Unid.

-Trigo 40 g

-Maisena 40 g

-Açúcar 150 g

-Fava de baunilha ¼ und

 

1-Esquentar o leite com a fava de baunilha aberta e com as sementes removidas e colocadas no leite.

2-Bater um creme de base bem encorpado com as gemas, os ovos, o trigo, a maisena e o açúcar.

4-Misturar ao creme de base o leite morno, mexer bem

5-Levar a mistura ao fogo até engrossar bem e cozinhar os amidos, se necessário adicione leite para deixar no ponto desejado.

6-Cobrir com plástico filme para não criar película e levar a geladeira.

 

É possível saborizar este creme base com qualquer coisa, chocolate, café, frutas e servir como recheio ou acompanhamento para diversas sobremesas.

Abraços Chef Du.

 


St Patrick’s day

Olá, hoje é um dia diferente, é St Patrick’s day. Para nossa cultura não é muito conhecido, mas é uma data que cada vez mais ganha força pelo mundo a fora, ainda não sei se é por causa da globalização ou pelo aumento de bêbados.

St Patrick’s day ou dia de São Patrício é uma data comemorada, principalmente, na Irlanda e países que falam a língua Inglesa, mas ultimamente muitos outros países comemoram de forma informal esta data.

Mas o que significa este dia? Data para homenagear o padroeiro da Irlanda e grande responsável pela evangelização dos irlandeses. Antigamente associado como o dia da celebração a cerveja. Adotado como feriado público e atualmente é um grande festival anual.

Neste dia as pessoas usam verde em homenagem a St Patrick que, segundo boatos, usava um trevo de 3 folhas para explicar a santíssima trindade da igreja católica aos irlandeses. Além disto, também bebem uma boa cerveja.

Então se você cruzar por um ser vestido de verde e mais pra lá do que pra cá, deseje um “Happy St Patrick’s Day”.

Aproveite e coloque algo verde, uma fitinha que seja, e vá a um buteco comemorar, no mínimo, o dia da cerveja.

Abraços e …. FELIZ St PATRICK’S DAY!

Chef Du.